Violenta repressão a manifestações na Espanha


Revolta e repressão em Madrid


A polícia de choque espanhola, com cerca de 1300 efetivos no terreno, respondeu com várias cargas e disparos de balas de borracha à manifestação convocada por um conjunto de cidadãos para junto do Parlamento de Madrid com o objectivo de protestar contra as medidas de austeridade e também contra o funcionamento do sistema político. Até à hora autorizada para a manifestação, 21 e 30 locais, registavam-se 20 detidos e 13 feridos, um dos quais um agente das forças repressivas.

Os manifestantes, que as autoridades direitistas de Madrid calculam em cerca de seis mil, concentraram-se na Praça Neptuno, nas imediações do Parlamento, com o objectivo de forçar os deputados a revogar as medidas de austeridade que têm vindo a ser impostas com grande intensidade pelo governo pós-franquista de Mariano Rajoy. O primeiro detido, segundo a imprensa, foi um manifestante que trepou à barreira de segurança para tentar hastear uma bandeira do Sindicato Andaluz de Trabalhadores.

Cidadãos de várias regiões de Espanha afluíram a Madrid correspondendo a uma iniciativa convocada sobretudo através das redes sociais. Para uma manifestação que o governo avalia em seis mil pessoas foram convocados 1300 polícias de choque, ditos “antidistúrbios”, o que, respeitando os cálculos oficiais, significa um agente da repressão por cada 4,5 manifestantes. Os efetivos, que dispararam balas de borracha durante as várias cargas realizadas, correspondem a 30 dos 52 grupos operacionais de choque existentes em Espanha, desde logo uma mobilização considerada “desproporcionada” pela comunicação social e “provocatória” pelos manifestantes.

A manifestação corresponde a uma intensificação do descontentamento numa Espanha afetada profundamente pela crise de uma dívida que continua a crescer, apesar da austeridade, e bateu todos os recordes no segundo trimestre deste ano, atingindo os 800 mil milhões de euros. O crescimento da dívida do primeiro para o segundo trimestre foi de quase quatro por cento e coincidiu com a aplicação plena das medidas anti-sociais impostas em fevereiro pelo governo.

Na terça-feira o governo pediu esclarecimentos ao Banco Central Europeu sobre se tenciona ou não comprar títulos de dívida espanhola num momento em que se torna cada vez mais evidente a necessidade de Madrid recorrer a um resgate das organizações prestamistas congregadas na troika.

Ao mesmo tempo agravam-se os sinais de desagregação do Estado, sobretudo na Catalunha, onde o governo de Barcelona, dominado pelos nacionalistas da Convergência i Unió, decidiu antecipar para 25 de Novembro as eleições autonómicas tencionando transformá-las igualmente num referendo sobre aprofundamento da autonomia, designadamente em matéria fiscal. A decisão ocorre duas semanas depois de dois milhões de catalães, cerca de um terço da população da região, se terem manifestado nas ruas a favor da independência.

A Andaluzia decidiu terça-feira solicitar a Madrid um resgate de aproximadamente cinco mil milhões de euros devido às dificuldades financeiras com que se debate a região.

Fonte: be internacional

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s