Drama sem fim para as famílias de #Pinheirinho

Fonte: BlogProg-SP

casa+derrubada+eduardo+anizelli+folhapress.jpeg
Está em nossas memórias o famigerado dia 22 de Janeiro , domingo de madrugada, quando mais de 2000 policiais da Polícia Militar, contando com a ajuda de guardas municipais desocuparam de forma violenta , com bombas de gás de lacrimogênio, gás pimenta, armas letais com apoio de helicópteros.

Passado mais de 20 dias, 120 famílias ( 600 pessoas )continuam em 03 abrigos, diga-se Campo de Concentração, sofrendo todo o tipo de pressão, para que saiam logo, mas não conseguem alugar uma casa como os minguados 500 reais que a Prefeitura de SJC oferece.

Em contato com a Defensoria Pública de Sâo José,.nos informam que 300 pessoas já procuraram o orgão para relatar , não só as perdas materias, bem como a violência da polícia. A Defensoria Pública também está apurando a violência cometida contra o morador Ivo Teles dos Santos, de 69 anos, que continua em estado grave no Hospital Municpal de Sâo José. O que não se consegue explicar é que o Hospital não fornece o Boletim de Atendimento de Urgência, que demonstraria o estado de saúde que o senhor Ivo entrou no Hospital.

O Descaso do Prefeito mentiroso de São José dos Campos.

É importante lembrar que não é só a casa , sabemos que a grande maioria perdeu todos os seus bens e numa entrevista à Rádio Stéreo Vale diz que massa falida é responsável pelos bens dos moradores e diz que as pessoas foram avisados para retirar os móveis, durante 01 mês pelos oficiais da justiça, mas o que não dá para entender é que existia um processo de negociação não cumprido pelo sr. Curi e as famílias foram pegas de surpresa e não tiveram tempo de retirar seus pertecentes.

O Prefeito Cury, ironicamente diz na entrevista à Rádio que a responsabilidade da prefeitura era apenas "cuidar das famílias". Que durante um mês os oficiais de justiça, ficaram com megafones pedindo aos moradores que retirassem seus móveis das residências. Mas segundo os oficiais os moradores escolheram os móveis que queriam ser retirados. E o prefeito ainda diz que os moradores querem segundo os oficiais de justiça"darem de espertos" e ganhar móveis novos, sem que eles tenham direito a eles.

Entrevista do Prefeito Cury :

A verdade dos fatos: Relato de um morador:
arrolamento+de+bens+Inacio.JPG
"Eu não estava em casa. Quando cheguei já tinham colocado minha mudança em cima do caminhão. Pedi a segunda via do arrolamento de bens, mas o oficial de INjustiça Rodrigo Danelli Ferreira não queria me dar. Insisti e ele me deu, uma cópia adulterada. Sumiu meu fogão, tanquinho, estante, botijão de gás, TV. Acho que eles achavam que cozinhava na lata", disse Inácio.

Levianamente Prefeito e oficiais de justiça jogam para os moradores a responsabilidade pelo extravio e destruição de seus pertences. Famílias pobres que foram roubadas durante a invasão da Polícia Militar.

O locutor diz que 10 % das famílias ainda permanecem nos abrigos, e o prefeito diz que se sente vitorioso porque hoje são 100 famílias , porque em três semanas, 90 % das "famílias invasoras" já estão em casas em situação melhor que elas se encontravam em #Pinheirinho.

A verdade dos fatos:
Segundo Elenita Saladin, que acolheu em sua casa 4 famílias do Pinheirinho, por três vezes alugou carreto e foi ao depósito retirar os bens dos moradores, que já conseguiram alugar casas, mas não podem mudar, pois estão sem seus bens. No entanto, em todas vezes recebeu a resposta de que era preciso agendar uma nova data.
Vergonhosamente o prefeito mente, porque essas famílias foram coagidas a sairem dos abrigos, ameaçadas, torturadas psicologicamente pelos "assistentes sociais" da Prefeitura de São José dos Campos na calada da madrugada, quando a mídia não poderia divulgar.

Ele ainda diz que mais de 70 % destas famílias " pediram passagens" pra irem emboras. Outro fato mentiroso, porque os blogueiros progressistas e o Condepe acompanharam este caso, e viram que as famílias foram obrigadas a aceitarem as passagens.

É a política higienista dos tucanos, que querem se livrar dos pobres e dos problemas que eles trazem para as suas cidades. A mesma política higienista do Governador Alckmin diante dos moradores de ruas da Cracolândia, ou do metrô de Higienópolis.

O que sabemos é que o drama destas famílias será eterno, como ficaram as crianças que presenceriam tanta violência? O governo , responsável por este atentado aos direitos humanos pagará o custo de psicólogo, psiquiatra?

O Pinheirinho jamais será esquecido!

Texto: Aparecido Araújo Lima
Colaboração: Kátia Figueira

Imagens e dados: Alessandra Jorge

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s