Governo cubano emite nota sobre morte de preso

Nota do governo cubano a respeito da morte de Wilman Villar Mendoza, publicada hoje (21/01/2012), coloca uma versão diametralmente oposta ao que vem sendo publicado a respeito desse fato pelos grandes meios comerciais de comunicação. Segundo a nota, o preso nem era dissidente, nem morreu de greve de fome, como afirma a grande imprensa mundial, inclusive a brasileira. Para se ter uma idéia do tamanho da controvérsia, basta ler a nota do governo e um exemplar das notícias da grande mídia, como esse aqui (Greve de fome mata preso político em Cuba), publicado agora pouco pelo Estadão. A nota desmente uma série de informações que vem sendo divulgadas amplamente e denuncia a existência de uma campanha internacional de difamação, com propósitos contra-revolucionários.

Nota de informação do governo cubano sobre a morte de Wilmar
Villar Mendoza
21/01/2012
Granma
Às 18h45 de 19 de janeiro faleceu em Santiago de Cuba
o preso comum Wilman Villar Mendoza, na sala de
cuidados intensivos do hospital Clínico Cirúrgico Doutor
Juan Bruno Zayas, devido à falência múltipla dos órgãos
derivado de um processo respiratório séptico severo,
que levou o paciente a um choque por sepsia.
Esta pessoa tinha sido levada com urgência no dia 13
de janeiro do centro penitenciário "Aguadores" para o hospital provincial
"Saturnino Lora", ao apresentar sintomas de uma pneumonia severa no
pulmão esquerdo, recebendo todas as atenções para este tipo de
afetação, lhe sendo aplicado ventilação e nutrição artificial, fluidoterapia,
hemoderivados, apoio com drogas vasoativas e antibióticos de amplo
espectro de última geração.
O hospital clínico cirúrgico "Juan Bruno Zayas", onde faleceu, é um dos
centros hospitalares de maior nível na região oriental e sua sala de
terapia intensiva conta com uma grande experiência na atenção a
paciente grave.
Villar Mendoza residia no município de Contramaestre, província de
Santiago de Cuba, e cumpria sentença de privação de liberdade desde
25 de novembro de 2011, pelos delitos de Desacato, Atentado e
Resistência à prisão.
O fato pelo qual foi condenado ocorreu durante um escândalo público
em que agrediu e provocou lesões no rosto de sua esposa, diante do
que sua sogra solicitou a intervenção das autoridades e ao chegar os
agentes da PNR resistiu e os agrediu.
Seus familiares mais próximos estiveram informados de todos os
procedimentos usados em seu atendimento médico, além de reconhecer
o esforço da equipe de especialistas que o atendeu.
Com relação com este fato, há vários dias agências estrangeiras de
imprensa, em particular de Miami, vêm promovendo uma intensa
campanha internacional difamatória, em conluio com elementos
contrarrevolucionários internos, que apresentam Villar Mendoza como
um suposto "dissidente" que faleceu depois de realizar uma greve de
fome em prisão. A respeito dispõe-se de abundantes provas e
depoimentos que demonstram que não era um "dissidente" nem estava
em greve de fome.
Wilman Villar após ter cometido o delito, pelo qual foi processado em
liberdade, começou a se vincular com elementos contrarrevolucionários
em Santiago de Cuba, que o fizeram acreditar que seu suposto
pertencimento aos grupúsculos mercenários lhe permitiria evadir da
ação da justiça.
Cuba lamenta a morte de qualquer ser humano; condena energicamente
as grosseiras manipulações de nossos inimigos e saberá desmontar
esta nova agressão com a verdade e a firmeza que caracterizam nosso
povo.
Fecha: 21/01/2012
Hora de cierre: 14:00 hrs.

CubaHoy_8_2012_nota.pdf

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s