A CAMAREIRA E A TRAGÉDIA DO SOCIALISMO EUROPEU

Do site Carta Maior
http://www.cartamaior.com.br

A CAMAREIRA E A TRAGÉDIA
DO SOCIALISMO EUROPEU

O obscuro episódio protagonizado pelo diretor-geral do FMI, Dominique Strauss-Khan, ilustra não apenas uma possível derrocada pessoal mas a do socialismo francês –e, de certa forma, de boa parte da esquerda mundial diante da crise econômica. Strauss-Khan exerce (ia) o comando da inspetoria financeira do capitalismo. O Fundo Monetário apesar das boas intenções de Keynes em Bretton Woods –e as do próprio Khan, segundo algun economistas– é o órgão encarregado, em última instância, de preservar os interesses dos credores ricos contra Estados e nações pobres. Notabilizou-se pela imposição de ajustes de austeridade devastadora, como ocorre agora no caso das
condicionalidades exigidias para liberação de ajuda à Grécia e Portugal. Cálculos do economista Pierre Salama sugerem que na crise da dívida externa, nos anos 80, o FMI impôs aos países pobres e em desenvolvimento um programa de arrocho econômico que resultaria em transferências de recursos, para pagamento de juros, de gravidade e volume superior às compensações de guerra impostas à Alemanha pelo Tratado de Versalhes, após a derrotada germânica no primeiro conflito mundial e que levariam ao surgimento do nazismo nos anos 30/40. O trágico não é que o dirigente desse instrumento típico da espoliação exercida pelas finanças no tecido social seja um suposto sedutor de camareiras em hotéis de US$ 3 mil a diária. Mas, sim, que Strauss Khan represente o máximo que o socialismo francês tem a propor para enfrentar o direitista Sarkozy, no escrutínio de 2012. Em outras palavras, a esquerda não tem nada de novo a dizer aos trabalhadores e à classe média. Hoje na Europa apenas a extrema direita tem um programa a oferecer à sociedade para acudir a sua angústia diante da crise. E esse programa é mais completo que o do FMI de Strauss-Khan. Ao arrocho sobre as políticas públicas ele acrescenta o ódio contra os estrangeiros, uma xenofobia higienista que, no limite, como já ocorre na Itália, sanciona a restauração de campos de concentração para impedir imigrantes miseráveis de disputar os minguados direitos e empregos que o torniquete da austeridade ortodoxa subtrai aos próprios europeus. Entre eles, quem sabe, vagas para camareiras em hoteis de luxo, como o que emoldurou o suposto assédio de Khan nos EUA. (Carta Maior; 4º feira, 18/05/ 2011)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s